Brasil discute como reduzir consumo de açúcar

Governo e indústrias de alimentos e bebidas vão realizar seis encontros ao longo de um ano para definir um plano.

Entidades de classe que reúnem indústrias de alimentos e bebidas deram início no dia 23 a uma série de seis oficinas técnicas que serão realizadas ao longo de um ano para estabelecer um plano de redução de açúcar nos produtos comercializados no Brasil, segundo a Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia). Baseada em dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a Abia informa que 56,3% do consumo de açúcar vêm da adição do produto na alimentação preparada em casa. Os alimentos processados respondem por 19,2% do total.

A primeira oficina técnica foi realizada na Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e contou com a participação de representantes do ministério da Saúde, entre outros especialistas na área.

Os encontros vão abordar diversos aspectos do açúcar que, informa a Abia, além do sabor, influenciam em textura, maciez, coloração, consistência e conservação dos alimentos industrializados. O objetivo é coletar subsídios para a construção do plano de redução do açúcar, discutir a metodologia para identificar o nutriente nas categorias e subcategorias a serem pactuadas e identificar as principais dificuldades tecnológicas e possíveis soluções.