Castanha do Pará: vai ficar mais cara.

Falta de chuva quebro a safra com expectativa de obter 10 mil toneladas em 2017, em períodos anteriores esse volume ficou entre 20 mil e 40 mil toneladas

As alterações no regime de chuva estão afetando a safra de castanha da Amazônia, conhecida também como castanha do Brasil e castanha do Pará, que deverá ficar próxima a 10 mil toneladas neste ano, enquanto que em anos anteriores variou entre 20 mil e 40 mil toneladas, informam pesquisadores da Embrapa. A expressiva redução da safra fez os preços passarem de uma média de R$ 50 a lata de 11 quilos no ano passado, para cerca de R$ 120 este ano, nas florestas do Acre e do Mato Grosso. Ainda de acordo com a Embrapa, no sul do Amapá, um hectolitro (5 latas) chegou a ser comercializado por R$ 750.

De acordo com a empresa especializada em pesquisa agropecuária, a safra de castanha da Amazônia chegou a cerca 50 mil toneladas na década de 1990 e o preço da lata era de aproximadamente US$ 3,7. A partir de 2005 o produto passou a ser mais valorizado alcançando os R$ 50 no ano passado.

Com preço mais alto e baixa produção, vai ficar mais difícil encontrar castanha no Pará nas prateleiras do varejo.