Seleção de Idioma

Quarta-feira, 26 de Junho de 2019

NOTÍCIAS

Redação - 26/10/2018

Empresa brasileira lança cajuína em lata

Bebida derivada do suco de caju era até o momento vendida em garrafa de vidro transparente

A Tijuca Alimentos lançou cajuína em lata de alumínio, com selo de produto orgânico e distribuição nacional. Derivada do suco de caju, a bebida muito consumida no nordeste brasileiro é comumente vendida em garrafas de vidro transparente por diferentes marcas. A novidade só foi possível mediante a parceria entre as cearenses Embrapa Agroindústria Tropical; a Tijuca, que planta o caju em sistema orgânico em Beberibe; e a Natvita, responsável pelo processamento e envase da bebida nas latas.

“A embalagem de vidro da cajuína sempre foi uma tradição desde os tempos do farmacêutico e sanitarista cearense Rodolfo Teófilo, que criou o produto em meados da década de 1930”, relata o artigo publicado na área de notícias da Embrapa. A bebida em lata representa inovação no modo de produção (envolvendo processos de microfiltragem) e também do ponto de vista logístico: a embalagem é mais leve, mais fácil de empilhar e menos sujeita a avarias do que o vidro; além de que o alumínio protege o líquido da luz. De acordo com a Natvita, essas características aumentam o interesse tanto do consumidor quanto da rede de distribuição.

A cajuína é o suco clarificado de caju, de cor âmbar, que alguns chamam de vinho do caju. A bebida da Tijuca é comercializada em latinhas de 269 ml e, de acordo com a Embrapa, “não contém qualquer aditivo de origem química ou animal, como é o caso da gelatina geralmente usada nesse tipo de bebida, podendo ser portanto utilizada sem problemas mesmo por um consumidor vegano”, assegura a empresa. Cada lata custa em torno de R$ 7 no varejo.